Dezoito de Escorpião

dezoito-de-escorpiao

Alexey Dodsworth
Editora Draco
324 páginas
Lançado em 2014 pela editora Novo Século

Talvez não soe estranha aos seus ouvidos a afirmação de que o Brasil não produz boas obras de ficção científica. Desde que passei a me interessar por literatura tenho escutado esse clichê sendo reproduzido mecanicamente, em parte por um histórico que nos dá a impressão de uma verdadeira escassez de obras nacionais, em parte por comparações (talvez injustas?) com o mercado de língua inglesa, mas certamente por desconhecimento do trabalho dos autores brasileiros somado a um crônico ceticismo acerca da nossa capacidade literária. Por isso, o único conselho possível é leia! Leia autores nacionais de ficção científica e fantasia e verá que temos, sim, algo de que nos orgulhar.

Dentre os melhores argumentos que posso oferecer está Dezoito do Escorpião, o romance de ficção científica de Alexey Dodsworth.

Para tentar dar um gostinho do livro sem cometer spoilers… O título Dezoito do Escorpião vem de uma estrela na constelação de Escorpião, que foi identificada como uma gêmea do sol capaz de possuir planetas em zona habitável.

No livro acompanhamos a trajetória de Arthur, um jovem estudante brasileiro às voltas com um problema de saúde bizarro: sua hipersensibilidade eletromagnética (HEM), que faz com que tenha enxaquecas terríveis ao menor contato com ondas eletromagnéticas. Um dia, após sofrer uma crise, vem a Arthur a figura enigmática do doutor Ravi Chandrasekhar propondo-lhe a experiência radical de viver em uma comunidade distante, à semelhança de um experimento social inovador, com a condição de que Arthur concorde em ir para lá sem saber sua localização e sem nunca poder sair à noite… e olhar as estrelas.

Arthur aceita a oferta, e em sua jornada ele se verá na companhia de outras pessoas notáveis, também portadoras de HEM, como Laura, Martin e muitos outros – inclusive alguns personagens reais transportados para essas páginas com o expediente de a nossa realidade tantas vezes concorrer com a ficção. Por trás de um projeto de dimensões galácticas, está a Areté, uma organização pós-humana de conhecimentos avançados liderada pelo próprio Ravi Chandrasekhar, e seus objetivos que elevam a humanidade para um patamar muito próximo da verdade cósmica que se poderia chamar de Deus.

Dezoito do Escorpião é um romance brasileiro de uma engenhosidade fascinante, com um cenário multicultural e internacional; uma ficção científica que bebe fartamente nas mais diversas áreas das ciências naturais e humanas, explora com rigor uma quantidade enorme de fatos reais curiosos e encontra referências até nas páginas dos noticiários policiais. O livro possui aquele elemento que os apreciadores de FC & F tanto amam, o sense of wonder. Como ótimo escritor que é, Alexey tem a perspicácia de redigir a jornada rumo a outros mundos conseguindo, ao mesmo tempo, projetar um olhar extremamente lúcido sobre o estado de coisas do nosso país e do mundo globalizado.

Dezoito do Escorpião é leitura obrigatória para qualquer fã de ficção científica. Aliás, é aquele livro que eu daria mesmo para quem diz não gostar de FC & F, mas faz questão de viajar nas páginas de uma boa história.

Cristina Lasaitis é ficcionista e biomédica, autora de Fábulas do tempo e da eternidade.

Anúncios