Paraíso líquido

Paraiso liquido

Luiz Bras
Terracota Editora
304 páginas
Lançado em 2010

Em tempos como estes, em que a política nos enoja, as pessoas nos decepcionam, a realidade começa a ficar insuportável e a vontade é de sumir do mapa, costumo recorrer à literatura que, afinal, sempre nos salva. Em momentos assim, procuro ler coisas que me tirem do eixo e me joguem muito além no tempo, ainda que esse futuro possa soar triste, cruel e melancólico.

Foi com esse estado de espírito que busquei na estante o Paraíso líquido, contemplado pelo ProAC 2010 e lançado nesse mesmo ano − meu exemplar com um autógrafo carinhoso de Luiz Bras. Embora a maior parte dos treze contos, na época, já tivesse sido impressa em coletâneas variadas, foi um imenso prazer lê-las, agrupadas, nesta obra de grande importância na carreira de Bras. E o que é melhor: editadas de forma que o leitor sente-se caminhando no tempo que gradualmente vai se tornando aterrador.

A edição se abre com Primeiro contato, texto primoroso e pungente – o meu preferido – sobre uma brincadeira entre crianças que, aos poucos e dosadamente, revela preconceito e crueldade. E segue nessa linha de alguém brincando com o destino dos outros em Memórias. Por sua vez, Nuvens de cães-cavalos nos estapeia com uma existência que pode estar na duração de um último cigarro, um show de forma e estrutura textual.

Provocador como sempre em suas antevisões distópicas, Luiz Bras fala de crianças e brinquedos assassinos em Daimons, e segue com Déjà vu, que, como ele próprio explica na orelha, pode ser lido de trás para a frente ou vice-versa, já que trata de uma máquina do tempo. São Paulo, 31 de julho de 2013 é literatura epistolar da maior qualidade em forma de um vaticínio que debocha de tudo, da política à religião e a personagens de desenhos animados – que bem poderia ser uma homenagem a Ray Bradburry. Em Nostalgia, o autor faz um alerta bastante sinistro: “Para o espírito do homem, o paraíso não pode ser parcelado.”

A obra se encerra com o conto que dá nome à coletânea, num cenário mais radical “onde não há mais Brasil, nem Ocidente nem o planeta Terra. Há apenas a paisagem, um espaço estranho e delicado, habitado por seres maravilhosos e assombrados por uma entidade chamada Nuvem”, nos dizeres de Rebecca O’Brien, da The Ohio State University, talvez mais um personagem criado por Bras, ele mesmo detentor de pelo menos cinco identidades.

A literatura futurista brasileira, mesmo que muito lentamente, está ganhando novos autores e adeptos, basta ver a recente multiplicação de lançamento de antologias com os melhores de todos os tempos. Luiz Bras faz parte desse movimento, e, mais do que produzir obras importantes na cena literária, ele tem sido mestre e fonte de inspiração para toda uma nova leva de autores preocupados em ficcionar o futuro.

Por sua iniciativa, por três anos (2008-2011) convidou quarenta e quatro escritores para produzirem textos, organizou e lançou o Projeto Portal, uma revista de ficção científica editada no sistema de cooperativa, destinada não ao grande público, mas em suas palavras “a esse pequeno grupo de aficionados mais refinados”. Foram seis números dessa publicação cujos títulos homenageavam os grandes mestres da ficção científica (Solaris, Neuromancer, Stalker, Fundação, 2001 e Fahrenheit), num total de 2.450 exemplares.

E em 2012, organizou e lançou como antologia o volume Todos os portais: realidades expandidas (também pela Terracota Editora), uma seleção de vinte e um contos dos seis números do Projeto Portal, com trabalhos de Roberto Sousa Causo, Fábio Fernandes, Ataíde Tartari, Braulio Tavares, Laura Fuentes, Brontops Baruq, Claudio Brites, Ana Cristina Rodrigues, Petê Rissatti, Ricardo Delfin entre outros.

O triste é saber que esses dois livros estão esgotados, idem os números dos Portais, podendo apenas ser encontrados com muita sorte em sebos. Quem sabe alguma editora esperta se interesse por relançá-los, uma vez que fazem parte da história da ficção científica brasileira contemporânea.

+   +   +

Nanete Neves é jornalista e escritora, autora de De âmbar e trigo, entre outras obras.

Anúncios