Infinito em pó

infinito em pó

Luís Giffoni
Editora Pulsar
240 páginas
Lançado em 2004

O romance Infinito em pó propõe um debate sobre a (in)expressividade da vida humana. Dedicado a discutir, ao longo do desenvolvimento de cada personagem, a habilidade do homem em desenvolver tecnologias na busca de respostas para o que historicamente sempre tomamos como questões insólitas, Luís Giffoni apresenta uma (dis)topia social que dialoga com nossa contemporaneidade.

A espécie humana, em um futuro distante, paga um preço muito alto na tentativa de racionalizar o universo como um todo, uma vez que não encontra alternativas políticas que tornem as microrrelações sociais menos violentas. Oligarquias, disputas de poder, cobiça e vaidades estão presentes na vida social do homem do futuro apresentada pelo autor, e embora tais desencontros sociais não comprometam o projeto de exploração interestelar, tornam esse projeto uma grande experiência (dis)tópica. Dessa maneira, utopia e distopia caminham juntas ao longo da obra, com o intuito de traçar uma hipérbole do sapiens contemporâneo.

As habilidades de Giffoni em desenvolver as personagens e a narrativa também despertam atenção. Os personagens são influenciados por pelo menos duas angústias essenciais: a clausura de viver toda sua existência em uma nave e a responsabilidade de protagonizar uma missão que pode mudar significativamente o entendimento do ser humano como espécie. No entanto, essas sensações são reveladas ao leitor em doses homeopáticas, o que faz do autor um maestro que tem o controle da narrativa nas mãos, nos proporcionando uma experiência sinestésica do que significa estar em uma missão espacial de exploração interestelar.

O teórico Viktor Chklóvski compreende que uma das demandas do texto literário é o processo de singularização dos objetos, que consiste em obscurecer a forma, em aumentar a dificuldade e a duração da percepção. Infinito em pó apresenta esses gestos em uma narrativa que revela, pouco a pouco, o que é viver um sonho utópico da humanidade cristã − desbravar galáxias, colonizar mundos, demarcar toda a grandeza do universo com o carimbo de domínio da humanidade − e a condição distópica do homem tão ínfimo, tão pequeno, tão singular, em meio a um cosmo gigantesco. Um cosmo infinito de um lado e, de outro, a humanidade na dimensão de pequenos grãos de areia com vaidades e muitas habilidades cognitivas.

A utopia e a distopia também estão presentes em Infinito em pó pela potência semântica da viagem espacial. Uma nave realiza uma das grandes empreitadas da humanidade: desbravar o espaço em uma longa jornada que permitirá ao homem colonizar o sistema de Alpha Centauri. Gerações nascem, se desenvolvem e morrem ao longo da viagem, sem conhecer o que seria a vida na Terra e o que seria a vida fora da nave. Os personagens centrais da trama só conhecem a Terra por um conjunto de arquivos alimentados pela inteligência artificial da nave e por um sistema de realidade imersiva que simula ambientes da fauna e da flora.

O planeta Terra, por sua vez, está em colapso político-econômico, ao mesmo tempo que possui uma integração, fruto de um processo de globalização maduro que possibilita a missão acontecer. Personagens reúnem traços multiculturais, variando do hindu ao latino-americano, no entanto, as múltiplas ambientações da nave permitem que o leitor se identifique com uma vida limitada quase ao missionarismo cristão: todos os personagens tem um objetivo, uma vida traçada, uma expectativa em torno dos resultados adquiridos ou não adquiridos, e dos juízos morais polarizados no bem e no mal.

O novo Deus que direciona as escolhas das personagens em Infinito em Pó é o progresso e a superação do humano: a vaidade em marcar território, sem saber ao certo por quê, nem para quê. O autor não deixa de lançar um olhar crítico sobre a história colonial das Américas e a presunção antropocêntrica do homem moderno. Questiona a paradoxal necessidade desse homem moderno em racionalizar o que está além de suas competências naturais. O universo é imenso, é complexo, é irracional na lógica humana.

Assim como Lovecraft cria o universo de Cthulhu e propõe que o livre-arbítrio do sapiens seja uma brincadeira dos deuses, Infinito em pó apresenta um homem desproporcional às demandas do Universo, motivado pela vaidade infantil de um dia querer atingir a onisciência e a onipresença de um cobiçado Deus cristão.

+   +   +

Ricardo Celestino é professor e escritor, com doutorado em Linguística.