O velocista

O velocista

Walter Cavalcanti Costa
Cepe Editora
216 páginas
Lançado em 2018

Esse não é um romance de ficção científica.

− Então, Luiz, o que ele está fazendo no blogue FCB?

Esse é um romance de ficção científica.

− Não estou entendendo. Tá parecendo mais o gato de Schrödinger, vivo e morto ao mesmo tempo…

Exatamente: esse é e não é um romance de FC. Vou tentar explicar. Sabe os desenhos ambíguos que iludem nossos olhos? O famoso pato que é coelho que é pato que é coelho? Então… O premiado romance O velocista, de Walter Cavalcanti Costa, é do mesmo tipo.

Dialogando com a melhor tradição de nosso modernismo futurista − estou pensando nos clássicos fragmentários de Oswald de Andrade: Memórias sentimentais de João Miramar (1924) e Serafim Ponte Grande (1933) −, a narrativa vencedora do Quinto Prêmio Pernambuco de Literatura é composta de trezentos e dez estilhaços, divididos em nove seções.

Os estilhaços são, aparentemente, uma coleção desordenada de memórias e reflexões de Jô Tadeu Tábua, o protagonista da história. E de fato há uma história, um enredo, nessa coleção esquizofrênica de breves diálogos, rápidas descrições e intermitentes digressões. Um leitor paciente e perspicaz, afinado com as vanguardas artísticas e seus jogos poéticos, consegue montar o quebra-cabeça que a cabeça de Jô Tadeu irradia sem descanso.

Pra facilitar um pouco o trabalho, há um estilhaço que esclarece quem é quem no vaivém de personagens que brincam de esconde-esconde ao longo do romance.

96

Explicativo

Eu sou Jô Tadeu Tábua, sou astronauta. Sou filho da estilista Carolina Vásquez e do professor de ciências contábeis João Tábua. Sou casado com Beyita Samana, a governadora do Estado de Pernambuco, no Nordeste da República Federativa do Brasil, e sou irmão do artista plástico Von O’Val, que é casado com a bibliotecária Valbuena Sales, que fala sete línguas ocidentais. Sales trabalhou com meu pai, João Tábua, no local onde hoje é a biblioteca que recebeu o nome dele.
Tenho um filho chamado João Tadeu. Uma filha que está para nascer. Nasceu.
Estou a trinta e cinco dias, seis horas e vinte e sete minutos no espaço.

Duas considerações me ocorrem, após a leitura de O velocista.

Trata-se, é óbvio, de uma obra pertencente à tradição modernista da prosa obscura, subjetiva, caótica e às vezes hermética, produzida por rebeldes − Joyce, Beckett, Raul Brandão, Clarice, Leminski, Hilda Hilst e outros − hoje canonizados e estudados no ensino médio e nas faculdades de Letras. Essa tradição da obra-aberta (Umberto Eco) ainda fortalece a corrente dominante da literatura e dos estudos literários.

Confesso, porém, que se não fosse por um detalhe, o romance de Walter Cavalcanti Costa não teria me interessado tanto. Afinal, justamente por pertencer à corrente dominante da literatura e dos estudos literários, a fragmentação romanesca já deixou de ser novidade há muito tempo. O detalhe que me prendeu a atenção foi a profissão de Jô Tadeu: astronauta. E o fato de ele estar a trinta e cinco dias, seis horas e vinte e sete minutos no espaço.

É a primeira vez que um astronauta entra em cena, no campo da literatura erudita brasileira. Porque, de Joyce aos dias atuais, os romances fragmentários do mainstream costumam expressar a consciência caótica do corriqueiro cidadão comum: gente simples da periferia, operários e comerciantes, escritores em crise, artistas sem talento, donas de casa entediadas, jovens sem amor nem futuro, delírios da classe média etc.

As questões práticas da rotina de um astronauta brasuca aparecem muito pouco em O velocista. Nessa narrativa predominam o cotidiano doméstico e afetivo do protagonista, próprio da tradição mainstream. Mas a brevíssima menção à figura do astronauta me permitiu extrapolar a alucinante fragmentação discursiva. Durante a leitura, consegui enxergar Jô Tadeu atravessando um portal fractal, sua nave em alta velocidade capturada por uma distorção do espaçotempo, o passado-presente-futuro do protagonista pipocando no ontem-hoje-amanhã, sua consciência elaborando e reelaborando encontros e desencontros de uma causalidade alternativa.

Resumindo: esse não é um romance de ficção científica, mas é do tipo que pode ser lido também como um romance de ficção científica.

+   +   +

Reflexão relacionada: Aprende com tua nêmese

+   +   +

Luiz Bras é ficcionista e ensaísta, autor de Distrito federal, entre outros livros.

Anúncios