Selva Brasil

Selva Brasil

Roberto de Sousa Causo
Editora Draco
112 páginas
Lançado em 2010

Selva Brasil é uma ficção de realidade alternativa, que especula como seria o Brasil vinte anos depois da invasão militar brasileira das Guianas, na Fronteira Norte, ordenada pelo presidente Jânio Quadros. Nessa outra realidade, a consequência da invasão brasileira é a formação de uma coalizão constituída pelas nações Inglaterra, França, Holanda e Estados Unidos, que ataca os nossos soldados e domina parte significativa da Amazônia brasileira.

Causo nos apresenta uma história militar que conta com personagens profundos, distantes do estereótipo soldado-Rambo-overpower, se assemelhando mais a um soldado-Spielberg-será-que-sei-mesmo-o-que-estou-fazendo-aqui? Ao longo de sua narrativa, o autor demonstra conhecer profundamente os pormenores da vida militar, desde a descrição das armas utilizadas na época, até particularidades como o vestuário dos soldados, os costumes típicos do Amapá e as variantes linguísticas comuns na rotina de um desbravador das matas amazônicas de fronteira.

Reflexões como “Chega um momento em que você quer mesmo é deixar o corpo cair e escorregar encosta abaixo, se encolher atrás de uma pedra e apagar. É como um sujeito perdido num deserto. Se ele achar um arbusto com uma sombra ele deita ali e morre.”, ou ainda “Matar é amputar de alguém essa extensão toda da existência.” oferecem um pouco da imersão que a obra convida o leitor a desfrutar.

O tempero de ficção científica ao longo do romance não fica só na especulação de uma realidade alternativa. Há também todo um mistério em torno de um experimento militar que pode ser o elo entre a realidade paralela criada pelo autor e a nossa. O arco narrativo é bem construído, a ponto de ficarmos curiosos para saber como seria a vida privada naquela nova realidade de brasileiros um tanto quanto mais críticos e participativos na vida pública e política do país.

Fato igualmente curioso é que o personagem central da obra é um Souza outro, esse grafado com Z e não S, que remete a um simulacro possível de Roberto de Sousa Causo, em uma realidade na qual ele não teria desistido de sua carreira militar nem enveredado pela carreira de escritor. Dessa maneira, trata-se não só de uma realidade alternativa que muda o fluxo de macro-realidades, como também interfere nas micro-realidades interpessoais, de expressões micro-subjetivas.

Confesso que, no início da leitura, imaginei que algumas situações enfrentadas pelos personagens fossem gorduras desnecessárias na obra. No entanto, na medida em que o arco narrativo foi pouco a pouco se desvelando, passei a legitimar aquelas situações como experiências essenciais para potencializar toda a ambientação daquele espaço desconhecido para um garoto paulista de apartamento como eu.

O que também existe de voz crítica no livro é a reflexão em torno da complexa situação das fronteiras brasileiras na perspectiva geográfica, política e cultural. Enquanto brasileiro, senti ao longo da leitura que perdemos a sensibilidade em relação às etnias indígenas, e desconhecemos as complexidades e as riquezas de sua arqueologia cultural.

Fui educado pela estética sul-sudeste e Selva Brasil me proporcionou uma imersão inusitada em um território nacional pouco explorado por outras literaturas de ficção científica a que tive contato. Parafraseando Chimamanda Adichie: enquanto leitores críticos, devemos perseguir aquelas obras que nos convidam a fugir das histórias únicas sobre as culturas e as civilizações. Selva Brasil é, sem dúvida, uma ótima opção imersiva para esse exercício.

+   +   +

Ricardo Celestino é professor e escritor, com mestrado em Linguística.

Anúncios